Acordo entre Alckmin e Centrão confirma a continuidade da bandalheira

Analistas afirmam que essa será a mais imprevisível das eleições de todos os tempos. Será que também não é a oportunidade de mudarmos o que acontece ao largo de tantos anos? Precisamos tomar uma postura diferente já nas proximas eleições.

Muito além do que tempo de televisão, políticos experientes dizem que os partidos que compõem o Centrão têm como principal atrativo o fato de unidos serem uma máquina de fazer votos. DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade fizeram a diferença nas últimas eleições, mas, desta vez, a decisão de agir em bloco tornou o grupo uma potência. O ativo advém do fato de controlarem no governo Temer ministérios que tocam programas sociais vitrines. Prefeitos e vereadores beneficiados com verbas serão cobrados, agora, a retribuir ajudando com votos a eleger os candidatos do bloco.
Muito além do que tempo de televisão, políticos experientes dizem que os partidos que compõem o Centrão têm como principal atrativo o fato de unidos serem uma máquina de fazer votos. DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade fizeram a diferença nas últimas eleições, mas, desta vez, a decisão de agir em bloco tornou o grupo uma potência. O ativo advém do fato de controlarem no governo Temer ministérios que tocam programas sociais vitrines. Prefeitos e vereadores beneficiados com verbas serão cobrados, agora, a retribuir ajudando com votos a eleger os candidatos do bloco.

O apoio do Centrão ao presidenciável Geraldo Alckmin, se confirmado, trará para a campanha do tucano uma massa de prefeitos, vereadores, assessores e agregados dessas siglas. Apoio que faz uma grande diferença numa eleição que será marcada pela abstenção e pelos votos em branco e nulo.

Integrante do Centrão, o PP tem o terceiro maior número de vereadores do País, atrás do MDB e do PSDB. Somados, os cinco partidos contam com 1.222 prefeitos e 13.710 vereadores. O grupo tem 164 deputados federais e 17 senadores.

A Lava Jato uniu os partidos do Centrão. Seus integrantes admitem que virou uma questão de sobrevivência se manter no poder. Se Geraldo Alckmin perder, o próximo presidente terá que negociar com o grupo de qualquer jeito para governar.

Em uma das reuniões preliminares do Centrão, o deputado Ricardo Barros (PP), que chegou a se colocar como pré-candidato à Presidência, disse que estará em qualquer governo, independentemente de quem for eleito.

Marcos Pereira (PRB) e ACM Neto (DEM) responderam que não comporiam com um governo do PT. Ciro Nogueira (PP) e Valdemar da Costa Neto (PR) ironizaram. “Ah tá.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s