Os arquivos secretos do SNI sobre os presidenciáveis

Documentos aos quais ISTOÉ teve acesso mostram que os principais candidatos à Presidência foram monitorados de perto pela ditadura

MARINA SILVA, POSSIBILIDADES ELEITORAIS

Ao avaliar as chances eleitorais de candidatos do Acre ligados à esquerda nas eleições de 1989, o SNI aponta que “Maria Osmarina Silva de Souza”, que ficaria mais tarde conhecida como Marina Silva, é possuidora de “elevado potencial eleitoral”. Segundo o dossiê, Marina era militante da Central Única dos Trabalhadores (CUT), participava, “há muito tempo”, do movimento estudantil, e tinha “participação marcante nas lutas dos trabalhadores”.

Em 1983, Marina chamou a atenção dos militares por participar de movimento grevista na Universidade Federal do Acre

Jair Bolsonaro é um elemento agitador, cujas atitudes e propósitos podem até servir aos interesses de partidos comunistas. Ciro Gomes integra uma chapa de direita e defende que estudantes não discutam em assembleias temas político-ideológicos. Marina Silva é uma comunista revolucionária. Geraldo Alckmin, por sua vez, não está ligado a atividades subversivas. Aos olhos de hoje, algumas dessas afirmações sobre os atuais candidatos à Presidência da República podem soar inusitadas. Mas era assim que o Serviço Nacional de Informações (SNI), órgão de inteligência e espionagem da ditadura militar, os viam há cerca de 40 anos. ISTOÉ teve acesso a documentos que hoje estão no acervo da Biblioteca Nacional. Os arquivos com tarja de “confidencial” revelam que os principais candidatos à Presidência foram monitorados pelo serviço de arapongagem, durante o regime militar e mesmo anos depois, no período em que o SNI continuou existindo após a redemocratização, no governo José Sarney. As exceções são Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia (PSTU) e João Goulart Filho (PPL). Os dois primeiros eram crianças. Sobre o terceiro, há apenas rápidas menções em arquivos sobre seu pai, o ex-presidente João Goulart, deposto pelo golpe militar de 1964.

O atual candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, é um dos nomes monitorados mesmo depois de encerrada a ditadura militar. A atenção sobre o ex-capitão do Exército deu-se depois que ele publicou artigo na imprensa reclamando que os salários dos militares estavam baixos. No artigo, Bolsonaro tecia críticas ao Exército por sua política salarial. O texto levou Bolsonaro a ser preso por 15 dias, acusado de insubordinação. O relato produzido pelos arapongas diz que as atividades de Bolsonaro tiveram “reflexos negativos” em escolas militares, como no Rio Grande do Sul, e em Centros de Operações, como o do Pará, onde três oficiais demonstraram apoio ao capitão reformado e dois foram punidos por cometerem transgressão disciplinar grave. Hoje, Bolsonaro é inimigo declarado do comunismo. Na época, o SNI chegou a dizer que as ações de Bolsonaro davam combustível ao PCB e ao PCdoB. “Em outubro de 1986, os comitês central e regional do PCB e do PCdoB instruíram seus militantes para que explorassem ao máximo o descontentamento salarial dos militares, criado a partir da entrevista do nominado (Bolsonaro)”, diz o documento do SNI classificado como ACE 72164/89. Os arapongas colaram em Bolsonaro durante o ano de 1988, diante da sua pretensão de lançar-se candidato a vereador pelo Rio de Janeiro. O hoje candidato do PSL distribuía panfletos na Vila Militar e organizava churrasco para os colegas. “Causa repercussão negativa o fato de o nominado trajar camisetas com sua propaganda eleitoral, bem como colocar adesivos alusivos à candidatura de vereador com o número de inscrição e os dizeres: a crise é de homens”, descreve o documento. “Em sua campanha, tenta aliciar cabos eleitorais de outros candidatos de seu partido”, complementa um informe do dia 16 de setembro de 1988.

CIRO GOMES E A “CHAPA DE DIREITA”

Documento do dia 25 de setembro de 1979 menciona Ciro Gomes com um dos integrantes da chapa “Maioria”, liderada por Marcos Martins Paulino. Ela era classificada por estudantes como “uma chapa de direita”. Ciro era candidato a vice nacional. O SNI diz que seu grupo iria “lutar pela democracia (…) ao contrário daqueles que a defendem como meio de chegar ao poder para, depois, transformá-la em totalitarismo”. O documento ainda revela que Ciro, numa assembleia, “concitou os presentes a colocarem em debate assuntos puramente estudantis, evitando abordagens de temas político-ideológicos”

Os documentos mostram que Marina Silva, hoje candidata pela Rede, durante muitos anos teve também seus passos vigiados de perto. Em 1983, a estudante Maria Osmarina da Silva chamou a atenção dos militares por sua participação em um movimento grevista ocorrido na Universidade Federal do Acre, após a reitoria tentar aumentar o preço do bandejão de 100 cruzeiros (aproximadamente R$ 2 em valores atuais) para até 400 cruzeiros (R$ 8 em valores atuais). Marina foi apontada como um dos “elementos” que estiveram à frente das ações. “Indiscutivelmente, a vitória do movimento significa o fortalecimento do ME/AC, cujos líderes encontravam-se até então, desgastados junto à classe estudantil”, esclarece o relatório do SNI, da Agência de Manaus, de 20 de setembro de 1983. Com o tempo, Marina também foi espionada pelas suas relações com o Partido Revolucionário Comunista (PRC), conforme relatório do Comando do Exército de dezembro de 1987, que cita um episódio envolvendo o então presidente estadual do PT, Antônio Rodrigues. O petista isolou politicamente Marina e seu parceiro Francisco Mendes, mais conhecido como Chico Mendes. A candidata da Rede ainda foi acompanhada pelo SNI no final dos anos de 1980, durante as eleições municipais daquele ano, quando concorreu a uma vaga na Câmara Municipal de Rio Branco. O relatório aponta para as suas grandes chances de vitória.

O candidato do PDT ao Planalto era visto pelo SNI como alguém mais próximo do viés ideológico do regime militar

Tal qual Marina, Fernando Haddad, o real candidato do PT à presidência da República diante da impossibilidade legal da candidatura de Lula, começou a ser observado pelos militares ainda como integrante do movimento estudantil. Mais precisamente quando era presidente do Centro Acadêmico 11 de Agosto, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. A espionagem relacionada a Haddad relaciona-se ao monitoramento do Plenário Pró-Participação Popular na Constituinte, naquela época ainda em fase de elaboração por conta dos movimentos das Diretas Já. O relatório do SNI mostra Haddad como participante do evento, ao lado de políticos então do PT, como Eduardo Suplicy e Márcio Thomaz Bastos.

JAIR BOLSONARO E OS COMUNISTAS

Longe de aparecer como amigo do regime militar, o capitão era monitorado porque agitava reinvindicações sindicais e salariais das tropas, o que provocava incômodo. Num boletim de 27 de setembro de 1989, o SNI mencionava uma entrevista de Bolsonaro à imprensa. E dizia que “os comitês central e regional do PCB e PCdoB instruíram seus militantes a explorar ao máximo o descontentamento dos militares, criado a partir da entrevista do nominado”.

Longe de aparecer como amigo do regime militar, o capitão era monitorado porque agitava reinvindicações sindicais e salariais das tropas, o que provocava incômodo. Num boletim de 27 de setembro de 1989, o SNI mencionava uma entrevista de Bolsonaro à imprensa. E dizia que “os comitês central e regional do PCB e PCdoB instruíram seus militantes a explorar ao máximo o descontentamento dos militares, criado a partir da entrevista do nominado”.

Se Marina e Haddad eram apontados como estudantes de esquerda, o mesmo não se aplicava a Ciro Gomes. O candidato ao Planalto pelo PDT era visto pelo SNI como alguém mais próximo do viés ideológico do regime militar. Documentos relacionados aos dossiês mostram que os estudantes mais de esquerda não consideravam Ciro como um de seus pares. Nos arquivos do SNI, Ciro aparece em relatos que o apresentam, em 1979, como candidato a vice-presidente nacional da UNE (União Nacional dos Estudantes) pela chapa “Maioria”. A chapa chegou a ser classificada como de direita porque pregava posicionamentos mais liberais e uma atuação estudantil menos ideológica – algo que poderia mesmo se aproximar dos preceitos dos que hoje defendem uma “escola sem partido”. Segundo o relato do SNI, a “Maioria” tinha como objetivo “lutar pela democracia por considerá-la a melhor forma de aperfeiçoar o exercício da liberdade, ao contrário daqueles que somente a defendem como meio de chegar ao poder para, após, transformá-la em totalitarismo”.

“Causa repercussão negativa o fato do nominado (Bolsonaro) trajar camisetas com sua propaganda eleitoral com os dizeres: a crise é de homens”

FERNANDO HADDAD E A CONSTITUINTE

O ex-prefeito de São Paulo aparece em um relato do plenário “Pró-participação Popular na Constituinte”, realizado no dia 22 de agosto de 1985. Haddad era então presidente do Centro Acadêmico 11 de agosto da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Outros nomes ligados ao PT à época, como Eduardo Suplicy e Plínio de Arruda Sampaio, também estavam presentes no evento

Como Ciro, Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência, não parecia inspirar cuidados. O tucano foi alvo de um relato curto datado de 1983 e batizado de “juízo sintético”. Tinha por objetivo relatar um pouco da vida política do médico anestesiologista de Pindamonhangaba, desde a sua eleição para vereador em 1972, com 1,4 mil votos. “Como prefeito, seu desempenho no campo político foi regular e satisfatório no campo administrativo”, resumiu o relatório do SNI sobre sua atuação. O presidenciável tucano foi classificado pelos arapongas como um “democrata”, sem registros de posicionamentos relacionados ao golpe militar de 1964 ou sobre “atividades subversivas”.

O que impressiona nos documentos sobre os presidenciáveis é a amplitude do aparato de arapongagem produzido pela ditadura militar para espionar a vida dos cidadãos. Um dos principais especialistas brasileiros em ditadura militar, o professor da UFRJ Carlos Fico lembra que o SNI de fato bisbilhotou praticamente todas as pessoas que tinham alguma atividade política durante os anos de chumbo e, mesmo depois, no início do processo de redemocratização. “O problema maior é quando esse tipo de instrumento de Estado interfere no processo democrático, como ocorreu durante a ditadura militar”, avalia ele. “A questão parece ser a finalidade desses relatórios, que muitas vezes não fica clara”, emenda o jurista José Paulo Cavalcanti Filho, ex-integrante da Comissão da Verdade. Independentemente do uso que o regime dava a esses relatos, meio século depois eles permanecem como documentos históricos e por que não essenciais para que a sociedade relembre como os militares agiam e de que maneira enxergavam os atuais candidatos ao Planalto.

GERALDO ALCKMIN, SEM “ATIVIDADES SUBVERSIVAS”

Boletim de 10 de fevereiro de 1983 fala de Alckmin como um dos mais jovens presidentes de Câmaras de Vereadores do país. Diz que ele teve “desempenho regular e satisfatório” como prefeito de Pindamonhangaba em 1978. O dossiê aponta que sua posição ideológica é de “democrata” e que “não há registros” de “atividades subversivas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s