Ciro e Alckmin no ‘fogo contra fogo’

Pedetista diz que candidato tucano ‘deixa roubar’, e ex-governador chama adversário de ‘aloprado fujão

A semana que se iniciou com o indeferimento da candidatura do ex-presidente Lula (PT) pela Justiça Eleitoral teve também o momento mais ríspido até aqui entre os candidatos Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin(PSDB). Abandonando o tom cordial que marcou os embates entre os dois nos dois debates televisivos já realizados, o pedetista e o tucano trocaram acusações fortes nesta segunda-feira, quando cumpriram agenda em São Paulo.
A tensão se elevou na véspera de uma nova pesquisa de intenção de votos — o Ibope divulgará nesta terça-feira novos números, e Ciro e Alckmin precisam crescer. Na última pesquisa do instituto, em 20 de agosto, Ciro tinha 9% e Alckmin 7% no cenário sem o nome de Lula.

O primeiro ataque partiu do pedetista. Em sabatina do SBT, do portal “Uol” e da “Folha de S.Paulo”, Ciro foi perguntado sobre a proposta de pedir o afastamento de ministros ou ocupantes de cargo de confiança citados em denúncias para que o caso seja apurado.

— O presidente da República tem que dar exemplo. A tarefa do chefe de Estado não é só não roubar. É não deixar roubar. Eu não tenho dificuldades com as questões escandalosas que envolvem o Alckmin. Mas é flagrante que ele deixa roubar. Não é brincadeira… É flagrante que deixa roubar — afirmou Ciro, sem dar exemplos de quando isso aconteceu.

Em resposta logo depois, Alckmin, que visitava um restaurante popular em São Paulo, afirmou que Ciro é “irresponsável”. Mais tarde, o candidato publicou em suas contas em redes sociais que o pedetista é um “aloprado fujão”:

“Ciro Gomes mencionou meu nome em uma entrevista ao UOL. Irresponsabilidade de quem tenta fugir da obrigação de esclarecer a grave denúncia publicada pela (revista) “Veja”. Agindo como um aloprado fujão, Ciro presta um desserviço ao debate eleitoral”, escreveu o tucano.

A “Veja” publicou entrevista com um ex-tesoureiro do Pros, Niomar Calazans, que acusa Ciro e seu irmão Cid Gomes de comprarem o controle do partido no Ceará por R$ 2 milhões. Os irmãos foram filiados ao Pros entre 2013 e 2015. Calazans diz não ter prova material da transação, mas que tratou diretamente com Ciro. A “Veja” trata ainda de pagamentos ilegais supostamente feitos por empresas credoras do governo do Ceará ao grupo de Cid Gomes. O presidenciável do PDT negou as acusações e prometeu processar o ex-tesoureiro do Pros.

Na entrevista, o pedetista reafirmou que pretende revogar o teto de gastos e a reforma trabalhista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s