Um prisioneiro da sombra de Lula

Fernando Haddad passou metade de sua curta campanha tentando convencer o eleitorado de que era o representante do carismático ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a outra esforçando-se do contrário. Mas a sombra de seu padrinho político foi gigantesca para este comedido professor universitário, confrontado com uma missão impossível: substituir o líder histórico do PT.

Uma tarefa tão complicada quanto converter os 29% de votos que obteve no primeiro turno em maioria para frear, no segundo turno, em 28 de outubro, o tsunami Jair Bolsonaro, seu adversário do PSL, que teve 46% dos votos e é o franco favorito a se eleger presidente, segundo todas as pesquisas.

Não parecem ter sido suficientes os esforços deste ex-ministro da Educação de 55 anos para seduzir eleitores cansados, nem tampouco seus alertas reiterados sobre o caráter antidemocrático do rival, a quem acusou de fomentar a violência.

Uma tarefa tão complicada quanto converter os 29% de votos que obteve no primeiro turno em maioria para frear, no segundo turno, em 28 de outubro, o tsunami Jair Bolsonaro, seu adversário do PSL, que teve 46% dos votos e é o franco favorito a se eleger presidente, segundo todas as pesquisas.

Não parecem ter sido suficientes os esforços deste ex-ministro da Educação de 55 anos para seduzir eleitores cansados, nem tampouco seus alertas reiterados sobre o caráter antidemocrático do rival, a quem acusou de fomentar a violência.

“Um professor tem muita mais chance de abrir um diálogo do que alguém como meu adversário, que nunca vi chamar ninguém para dialogar, que nunca aprovou nada relevante em 28 anos de mandato”, declarou em entrevista recente à AFP.

O problema para o ex-prefeito de São Paulo é que poucos mostraram intersse em dialogar com ele, em um país que parece ter dado as costas ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Ele percebeu isto e seu antigo slogan – “Haddad é Lula” -, com o qual iniciou sua campanha correndo contra o tempo às portas da Superintendência da Polícia Federal, onde Lula cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, acabou se transformando em uma imagem muito mais neutra e afastada dos principais símbolos do partido.

Incluindo o principal: seu mentor político. A última visita a Lula em Curitiba foi em 8 de outubro, horas após quase ter sofrido uma derrota histórica, passando por um fio para o segundo turno.

Até hoje não retornou.

– Comedido –

Se há um ponto em que Haddad tem demonstrado personalidade é o autocontrole diante dos ataques de adversários, que alguns confundem com distanciamento.

“Sou filho do casamento de um comerciante libanês com uma normalista. Aprendi em casa a negociar e conversar, e tenho um temperamento em geral tranquilo, mesmo nas situações mais adversas. As pessoas confundem isso com frieza, mas não é”, declarou em um artigo publicado em junho de 2017 na revista Piauí.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s