O ‘outra’ morte de Lampião

Acabou o mistério. Lampião não morreu em combate, aos 40 anos, mas por um tiro isolado dado a 8m de distância. Apertou o gatilho do fuzil Mauser alemão, calibre 7 mm, Sebastião Vieira Sandes, do Regimento Policial Militar de Alagoas. Ele integrava uma tropa com quatro soldados e o episódio ocorreu na grota do Angico, em julho de 1938. Para entrevistar Sandes, o autor de “Apagando o Lampião: Vida e Morte do Rei do Cangaço” (Global Editora), Frederico Pernambucano, o procurou por 23 anos. Aos 87 anos, condenado pelo aneurisma inoperável, ele falou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s