Ensino Médio tem novas perspectivas

Após um amplo trabalho de escuta, que envolveu audiências públicas realizadas em diferentes regiões do país, o Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou duas medidas importantes para melhorar a qualidade do Ensino Médio no Brasil: as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Esta última precisa agora ser homologada pelo Ministério da Educação (MEC), o que deve ocorrer nesta próxima 6ª feira – dia 14.

Isso pode ser um alento para esta última etapa da Educação Básica, cujo drama, em termos de aprendizagem e de abandono escolar, se arrasta por mais de vinte anos. De cada 100 alunos que concluem o Ensino Médio, apenas 7 aprenderam o que seria esperado em Matemática. Outro triste exemplo são os números relativos ao abandono escolar – por ano, cerca de 550 mil alunos deixam a escola de Ensino Médio, ao custo de R$ 6,3 mil por aluno, o que representa uma perda da ordem de R$ 3,5 bilhões – sem falar no custo social, que é bem maior. No Brasil, cerca de 1 milhão de jovens de 15 a 17 anos estão fora da escola e do mundo do trabalho: a chamada geração “nem-nem”. Se considerarmos a faixa de 15 a 29 anos, são cerca de 11 milhões nessa condição, o que equivale a três países do tamanho do Uruguai.

O que nos faz ter esperanças de que a BNCC reverta o atual quadro do Ensino Médio é o fato de ela dialogar diretamente com pelo menos dois aspectos importantes da escola que os jovens almejam: flexibilidade e foco no projeto de vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s