Irmão e delação complicam situação de Toffoli

Citação de Toffoli emperrou delação premiada de Léo Pinheiro, da OAS, por 2 anos e meio, mas, após acerto com MPF, ela foi, enfim, liberada e vazou o caso das propinas pagas ao irmão dele, Ticiano.
Há dois anos e meio, o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, começou a negociar com o MPF uma delação premiada. A Veja publicou, então, reportagem de capa com o ministro do STF Dias Toffoli, por ter ele sido citado no depoimento. A delação emperrou, mas recentemente foi concluída. Desta vez, não vazou nada sobre o atual presidente da “Corte Suprema”. Mas seu sobrenome compareceu com uma episódio de seu irmão, que teria recebido R$ 1 milhão de propina para pagar ao prefeito de Marília, Mário Bulgarelli, para renunciar em benefício de Toffoli. Depois, a empresa baiana investiu R$ 1,5 milhão em caixa dois em sua gestão e R$ 1 milhão para pagar dívidas da campanha perdida pelo mano. Este é meu comentário no Estadão Notícias, no Portal do Estadão desde 6 horas da sexta-feira 6 de fevereiro de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s