PF quer acessar contas de investigados via Facebook e Whatsapp

Facebook e Whatsapp na mira de Moro e da PF

O ministro Sergio Moro e a cúpula da Polícia Federal usarão o encontro que terão no Departamento de Justiça Americano, o Doj, nesta semana, para dar o pontapé inicial à seguinte negociação: um acordo que permita ao Brasil acessar dados de pessoas investigadas que têm cadastros em redes sociais como o Facebook e Whatsapp sem a necessidade de um pedido judicial. Moro e o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, integram a comitiva do presidente Jair Bolsonaro que está nos EUA.

Hoje, boa parte das investigações trava nas barreiras invisíveis das redes sociais, que mesmo com ordem da Justiça brasileira para que forneçam dados de usuários, deixam de cumpri-la. Geralmente, as empresas alegam que suas bases de informações estão nos EUA e por isso não podem fornecê-las.

A falta de cooperação já rendeu prejuízo aos cofres do Facebook. No ano passado, a operação brasileira da empresa foi multada em R$ 111 milhões. O motivo foi descumprir uma decisão da Justiça de quebra de sigilo feita numa operação que apurava fraude na saúde pública do Amazonas. Em 2016, o Facebook chegou a ter R$ 38 milhões bloqueados pela mesma razão. A PF trabalhou intensamente nas últimas semanas para que o Ministério das Relações Exteriores compre a proposta e trabalhe para que o acordo saia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s